Mapeamento eternamente em construção – Bate-papo com o Coletivo Sinestesia

Bate-Papos   |       |    3 de novembro de 2009    |    5 comentários

Coletivo Sinestesia – Teresina – PI
Representante: Clodomir Junior
Por email

1. Financiamento: como o grupo financia seus trabalhos?

Atualmente não possuímos nenhum patrocínio, estamos sendo financiados com dinheiro proveniente dos próprios integrantes do grupo.

2. Diálogo com o entorno: como as questões da sua região estão presentes na obra do grupo e, por outro lado, como o grupo está presente nas questões de sua região?

Nas nossas intervenções sempre nos adaptamos aos fatores que permeiam nossa sociedade, temas como o calor da cidade de Teresina, ideologia das pessoas, elementos sociais constantemente estão presentes no nosso trabalho. Buscamos interação com o público.

3. Fator agregador: qual o fator agregador/ definidor/ de união do grupo?

Compartilhamos de uma forte linha ideológica de como abordamos as temáticas interessantes para o grupo que é a linguagem contemporânea de teatro. Procuramos ser originais, inusitados, inesperados. Somos um coletivo que tenta adquirir ao longo do tempo uma evolução em conjunto, crescemos à medida das nossas discussões e aperfeiçoamentos.

'5 comentários para “Mapeamento eternamente em construção – Bate-papo com o Coletivo Sinestesia”'
  1. iara disse:

    é visivel a luta diária do sinestesia e o interesse de cada interprete por tematicas atrativas a sociedade…e nesse intuito estamos trabalhando, dando nosso suor a quilo q mais nos interessa: levar a arte ao publico diverso do qual viemos estudando desde nossa fundação…

    Iara Tamyres

  2. priscila disse:

    Estamos numa incessante luta pela arte, queremos a todo custo reverenciar nossa sociedade levar ao público nosso ponto de vista …

  3. Me sinto extremamente honrando de fazer parte do sinestesia a tanto tempo, é bom lembrar dos finais de semana sacrificados (nem tao sacrificados assim-rs, pos foram aproveitados pra fazer algo que eu amo) e muitas vezes dias de semana, pra trabalhar em cima de projetos e trabalhos e sempre na procura pela evoluçao dia a pos dia.
    de fato me emociono com tudo isso, pois pelo sim e pelo nao sinestesia é algo que ja faz parte da minha vida.

  4. Aivlis Amorim disse:

    É bem claro o esforço do coletivo.Eu que convivi um bom tempo com eles, posso dizer o quanto eles trabalharam e trabalham pra manter o sinestesia. Eu como espectadora digo que é muito difícil passar para o publico um espetáculo que envolve um “QUÊ” mais contemporâneo pois a população ainda não está preaparada pra isso.Mais de pouco em pouco podemos atingí-los com as nossas informações.

  5. Astier Basílio disse:

    Oi Aivlis, tudo bem?
    Fiquei com um monte de perguntas a partir do teu comentário.
    1) para quem vocês falam
    2) o quê vocês estão querendo dizer com seu teatro?

    Tentando entender ou tentando ainda perguntar… Como é que a gente sabe se o público está ou não preparado?

    É possível mesmo quantificar ou ter controle sobre a plateia, na medida em que eu sei quem vem ver o espetáculo? E como se dará essa preparação do público se já há um pré-julgamento de que ele não é preparado ou capaz.

O que você acha?

A Bacante é Creative Commons. Alguns direitos reservados. Movida a Wordpress.